Search

Esse pequenino símbolo é um lembrete diário para dar uma pausa.

This tiny symbol is a daily reminder to take a pause.


Como Professora de Línguas e apaixonada pelas letras, assim como pela jornada de auto-conhecimento através da meditação e outras técnicas auxiliares, compartilho esse texto que adorei com vocês! Beijo no heart! <3


A poderosa Vírgula.

De todas as pontuações, é a virgula, a poderosa virgula, que é a mais indispensável. Até mesmo o ponto não se iguala à virgula. Por que é a virgula que introduz a pausa que nos permite tomar fôlego, reunir o que foi lido, e encaixar junto com o que está a caminho.

Se nós queremos uma aula de meditação da gramática, a virgula seria a mais apropriada a oferecê-la. Embora nossas mentes estejam recheadas com muitos pensamentos, é o espaço entre eles que é o mais importante. Mas, como todos nós sabemos, nos tornamos sempre tão preocupados com nossos pensamentos que sofremos por pensarmos demais, e raramente temos um momento para conectar as coisas. Na verdade, a maioria de nós se move tão rápido que nem percebe que há um espaço entre os pensamentos.

Podemos não precisar de um sinal de Pare, mas um sinal de fato seria bom. Quer estejamos sentados em meditação formal ou em nossas atividades da vida, precisamos criar espaço para ‘pensar nossos pensamentos’. Nós precisamos estabelcer um tema para nossas vidas, nossos dias, nossas horas, e nossos minutos, algo para conectar os pontos. Precisamos nos unir aos nossos pensamentos.

Mas não seremos capazes de fazer isto com mais um pensamento, não importa o quão nobre ou intrigante ele seja. É somente abraçando o espaço entre nossos pensamentos que nossa verdade começará a emergir.

Se é para nos engajarmos verdadeiramente com nosso dia, um tema deve ser estabelecido. Caso contrário, continuaremos sujeitos ao desempenho indiferente, vivendo no piloto automático. Somente quando um tema for estabelecido – um propósito – nos sentiremos relacionados com o que estamos fazendo.

Atividades e pensamentos desarticulados fatigam a mente e cansam o corpo. Mas quando um momento surge em nosso dia com nada acontecendo, com frequência nos sentimos desconfortáveis, como se devêssemos estar fazendo ou pensando alguma coisa. Em vez de apreciar esses momentos simplesmente descansando neles, nós o preenchemos sem pensar, agarrando nossos telefones, indo tomar um café desnecessário, pegando a agenda do dia, folheando uma revista – qualquer coisa que ocupe esse espaço. Nós estamos muito mais confortáveis fazendo algo do que fazendo nada. Nós talvez sejamos habilidosos em completar coisas, comunicar-se bem com os outros, curtir aparelhos, carros, livros, e outras coisas que podemos ver e tocar. Mas não somos tão habilidosos em apreciar a nós mesmos, como evidenciado pela nossa inabilidade de conter o impulso de agir, adquirir, ou falar quando não há razão lógica para tal.

Mas é essa pausa no nosso dia que, como uma virgula em uma sentença, oferece a pausa que precisamos para nos trazer de volta ao alinhamento com nosso tema, nosso propósito. Pessoas tendem a esquecer vírgulas nas suas escritas, e óh! – como os leitores sofrem. E nós negligenciamos a pausa em nossos pensamentos e ações, e óh! – como nós sofremos. Não confiamos em nós o suficiente para permitir que o espaço vazio faça sua mágica. Nós tememos o fazer nada. Não conseguimos lidar com isso, então lutamos contra e nos tornamos impacientes, nos sentimos ameaçados, e o rejeitamos.

No entanto, quando abraçamos a quietude momentânea, começamos a nutrir e a expandir a sua presença em nossas vidas. Agindo assim pode nos levar a reconhecer que seguir pela vida com a ‘escrita no muro’ não estimula a imaginação. O que realmente precisamos é de um quadro em branco – um mural que não nos dite qualquer expectativa. Voltar ao quadro branco é um tempo para nos reconectarmos a nós mesmos e colocar nosso dia em contexto, deixarmos as peças se juntarem e descartar aquelas que não se encaixam.

Quando nos permitimos a pausa e o somente SER, começamos a desenvolver confiança em nós mesmos e a remover o medo. Nós permitimos que uma imagem mais clara de nossas vidas venha à tona pela simples ação de fazer nada mais do que ficar fora do caminho e permitir que ela aconteça. Então, vamos abandonar nosso desejo de preencher cada pequeno momento de nossas vidas, e em vez disso, aprender a abraçar a pausa, a quietude, as vírgulas das nossas vidas!

Author: Richard Josephson

(Traduzido: por mim, Tatiana Lopes)


(Aquele que não entende seu silêncio, provavelmente não entenderá suas palavras)

The Mighty Comma.

Of all punctuation marks, it is the comma, the mighty comma, that is most indispensable.

Even the period cannot match the comma. For it is the comma that introduces the pause that enables us to take a breath, gather in what has been read, and fit it together with what is on the way.

If we want a meditation lesson from grammar, the comma would be most suitable to offer it. Although our minds are filled with many thoughts, it is the space between our thoughts that’s most important.

But, as we all know, we often become so preoccupied with our thoughts that we suffer from run-on thinking, and scarcely have a moment to connect things together. In fact, most of us are moving so fast that we don’t even notice that there is a gap between our thoughts.

We may not need a stop sign, but a yield sign would be nice.

Whether we are sitting in formal meditation or going about our active lives, we need to create space to think our thoughts. We need to establish a theme to our lives, our days, our hours, and our minutes, something to connect the dots together. We need to link ourselves to our thoughts.

But we won’t be able to do this with just another thought, no matter how noble or intriguing it may be. It is only by embracing the space between our thoughts that our truth will begin to emerge.

If we are to be truly engaged with our day, a theme must be established. Otherwise, we will remain harnessed to indifferent performance, living on autopilot. Only when a theme is established—a purpose—will we feel a relationship with what we are doing.

Disjointed activities and thoughts weary the mind and tire the body. But when a moment arises in our day with nothing going on, we often feel uncomfortable, as if we should be doing or thinking something. Instead of treasuring these moments by simply resting in them, we mindlessly fill them, grabbing our phones, going for an unneeded coffee, picking up the day planner, snatching up a magazine—anything that can fill up that space.

We are far more comfortable doing something than doing nothing. We are perhaps skilled at accomplishing things, communicating well with others, enjoying gadgets, cars, books, and other things we can see and touch. But we’re not too skilled at appreciating ourselves, as evidenced by our inability to refrain from the impulse to act, procure, or speak when there is no logical reason to do so.

But, it is that pause in our day that, like a comma in a sentence, offers just the pause we need to bring us back into alignment with our theme, our purpose.

People tend to forget commas in their writing, and oh!—how the readers suffer. And we neglect to pause in our thinking and actions, and oh!—how we suffer. We do not trust in ourselves enough to allow empty space to work its magic. We fear having nothing to do. We can’t get a handle on it, so we fight with it and get antsy, feel threatened, and reject it.

However, when we do embrace the momentary quiet, we begin to nourish and expand its presence in our lives. Doing so can lead us to recognize that going through life with “the writing on the wall” doesn’t stimulate the imagination. What we really need is a blank slate—a slate that doesn’t dictate any expectations of us. Returning to the blank slate is a moment of time for us to reconnect to ourselves and put our day into context, to let the pieces come together and toss away those that don’t fit.

When we let ourselves pause and just be, we begin to develop trust in ourselves and remove fear. We allow a clearer picture of our lives to emerge simply by doing nothing more than staying out of the way and allowing it to happen.

So let’s relinquish our desire to fill every single moment of our lives, and instead learn to embrace the pause, the quiet, the commas of our lives.

Author: Richard Josephson

8 views

​© 2018 Semeia Vida by Tatiana Lopes.