Search

Eu não ligo.../ I don’t care…

“Eu não ligo para o quanto você é espiritual. Pra quanto tempo você pode suar numa tenda de suor. Quantas jornadas de Peyote abriram sua mente, ou o quão bem você consegue se manter na postura do corvo. Honestamente. Não estou nem aí. Eu não ligo para quais planetas caem em que casas no seu mapa natal, quantos cristais você tem ou o quão vegana sua dieta é.

Eu quero saber o quão Humano você é. Você pode sentar-se aos pés de alguém morrendo, apesar do desconforto? Você pode ficar com seu luto, ou o meu, sem tentar me aconselhar, consertar ou mantê-lo? Eu quero saber que você pode aparecer à mesa, não importa o quão brilhante, chakra alinhado ou o quão completo você está ou não. Você pode dar espaço amoroso para aqueles que ama na profundeza de suas próprias curas sem tentar ser ‘grande’?

Não me encanta quantos treinamentos de cura online você tem, que você viva em um deserto ou em uma cabana, ou que você tenha dominado a arte do tantra.

O que me atrai são mãos ocupadas. Plantar raízes. Que apesar de estar cansada, você faz aquela ligação, você embarca naquele avião, você ama seus filhos, você alimenta sua família.

Eu não tenho interesse em como você pode ascender bem para a 5D, fazer viagem astral ou ter sexo fora do corpo. Eu quero ver como você lindamente se integra na realidade ordinária com sua mágica única, como você encontra beleza e gratidão naquilo que te cerca, e o quão presente você pode estar em seus relacionamentos.

Eu quero saber que você pode aparecer e fazer as coisas difíceis e sagradas nesta maravilhosa e bagunçada Terra. Eu quero ver que você pode ser sincera, pé no chão e compassiva da mesma forma que você é empoderada, fogosa e magnética. Eu quero saber que mesmo durante suas conquistas, você pode voltar atrás e ser humilde o suficiente para ainda ser aprendiz.

O que é bonito e sexy, e autêntico, é o quão bem você pode continuar a celebrar os outros independentemente do quão avançada você se tornou. O que é realmente atraente é o quanto você pode dar apesar do quão plena você se fez. O que importa honestamente é o quão melhor você pode ser como Humano, em um mundo que está tão cheio de materialismo espiritual e pulando o próximo bode expiatório por ‘liberdade’.

No final do dia, eu não tô nem aí para o quão corajosa você é. O quão produtiva, popular, iluminada você é. No final do dia, eu quero saber que você foi bondosa. Que você foi real. Eu quero saber que você descer do pedestal de tempos em tempos para beijas a terra e deixar seu cabelo ficar sujo e seus pés enlameados, e se juntar na dança com todos nós”.

-Uma chamada moderna para a mudança do consumismo espiritual ao retorno da Humanidade... de coração inspirado.

Por Oriah Mountain Dreamer’s, The Invitation.


Beijinhos de Luz! <3

Tati

(Traduzido por mim)



"I don’t care how spiritual you are. How long you can melt in the sweat lodge. How many peyote journeys that have blown your mind, or how well you can hold crow pose. Honestly. I don’t. I don’t care what planets fall in what houses on your birth chart, how many crystals you have or how vegan your diet is.

I want to know how human you are. Can you sit at the feet of the dying despite the discomfort? Can you be with your grief, or mine, without trying to advise, fix or maintain it? I want to know that you can show up at the table no matter how shiny, chakra- aligned or complete you are- or not. Can you hold loving space for your beloved in the depths of your own healing without trying to be big?

It doesn’t flatter me how many online healing trainings you have, that you live in the desert or in a log cabin, or that you’ve mastered the art of tantra.

What turns me on is busy hands. Planting roots. That despite how tired you are, you make that phone call, you board that plane, you love your children, you feed your family.

I have no interest in how well you can ascend to 5D, astral travel or have out of body sex. I want to see how beautifully you integrate into ordinary reality with your unique magic, how you find beauty and gratitude in what’s surrounding you, and how present you can be in your relationships.

I want to know that you can show up and do the hard and holy things on this gorgeously messy Earth. I want to see that you can be sincere, grounded and compassionate as equally as you are empowered, fiery and magnetic. I want to know that even during your achievements, you can step back and be humble enough to still be a student.

What’s beautiful and sexy and authentic is how well you can continue to celebrate others no matter how advanced you’ve become. What’s truly flattering is how much you can give despite how full you’ve made yourself. What’s honestly valuable is how fucking better of a human you can be, in a world that is high off of spiritual materialism and jumping the next escape goat for “freedom.”

At the end of the day I don’t care how brave you are. How productive, how popular, how enlightened you are. At the end of the day, I want to know that you were kind. That you were real. I want to know that you can step down from the pedestal from time to time to kiss the earth and let your hair get dirty and your feet get muddy, and join the dance with us all."

-A modern day call to shifting from spiritual consumerism to returning to human kind... heart inspired by Oriah Mountain Dreamer’s, The Invitation."

(Got it from: Taylor Rose Godfrey)

14 views

​© 2018 Semeia Vida by Tatiana Lopes.