Search

Nos viramos sozinhos? Será?!

Esses dias peguei meu telefone para fazer uma ligação e ao finalizá-la fui verificar uma mensagem que havia entrado em um dos meus canais de mídia social, e antes de chegar à mensagem propriamente dita, passei por uma postagem que dizia: ‘Enfrentei a minha pior fase sozinha… Aprendi que na hora que você precisa, ninguém corre por você, a não ser suas próprias pernas.’


Esse pensamento me impactou um bocado e fiquei reflexiva por um bom tempo naquele dia...


O que você pensa ou sente ao ler esta frase? (fique à vontade para comentar ou mesmo escrever msg ou email)


Será?!


Vou contar o que eu pensei, o que eu senti…


A frase bateu forte, porque já passei por muitos momentos e situações em que quando mais precisei de uma mão ou de um ombro, ou de um abraço, estava todo mundo muito ocupado… Lembro-me de ter pensado, que eu deveria me virar então e ficar quieta para não incomodar ou atrapalhar as pessoas em suas vidas rotineiras.


No entanto, sempre foi difícil para mim dizer que estava me virando sozinha, afinal de contas eu não estou a pessoa que estou por mérito único e exclusivo meu. Tenho sim, com certeza, talvez a maior parcela de responsabilidade nesta construção eterna, mas muitas pessoas participaram e participam ativamente desse processo. Nem sempre fui adulta, nem sempre consciente, nem sempre independente, sendo assim não só meus pais, mas meus avós, meus irmãos, primos e primas, tios e tias, amigos e amigas, colegas de faculdade, de trabalho, e muitos outros contribuíram em algum sentido, seja bom ou ruim, na construção desta pessoa que estou hoje. Portanto, embora tenha me sentido só, nunca estive realmente só. Ninguém se faz sozinho! Mesmo aquela pessoa que consideramos que foi muito ruim conosco nos ensinou algo de bom, e que nos auxiliará em alguma ocasião.


Ao mesmo tempo, o fato de termos ou não auxílio, em qualquer que seja o momento de nossas vidas, por si não resolve nada se a gente não se mexer. Então sós ou acompanhados, nada acontece se nossas pernas não correrem, nossas mãos não se mexerem e nossas mentes não se modificarem por nós. Porque é assim que funciona, a vida só muda quando a gente muda, quando a gente se mexe. A vida flui, tudo se transforma o tempo todo, e quando isso não acontece, algo adoece…


Mas o ponto que considero mais importante neste momento é o fato de que a comunicação precisa ser eficiente, consciente e amorosa, se possível.

Justamente por causa de toda uma construção sócio-cultural, muitos de nós aprendemos a ver a vulnerabilidade ou o pedido de ajuda ou suporte como um sinal de fraqueza, e nenhum de nós quer parecer fraco para ninguém. Verdade seja dita, nenhum de nós que ficar ‘mal na fita’ e por isso muitas vezes entubamos algo que precisa ser dito, ou fazemos coisas que não precisaríamos fazer ‘sozinhos’.


Esse tipo de comportamento pode nos deixar ressentidos com as pessoas ao nosso redor; é como se elas precisassem adivinhar o que pensamos ou o que queremos… mas que fique claro, ninguém tem bola de cristal para saber exatamente o que se passa com o outro a não ser que nós comuniquemos isso, de forma clara e eficiente.


Às vezes, a pessoa que está ao seu lado está doida para participar da sua vida, doida para te dar um abraço ou uma mão e não sabe se pode, porque não quer invadir sua couraça de ‘super autossuficiente’. E você nem sabe disso porque se fechou nela, nessa personagem… que nenhum de nós de fato é.


A gente precisa aprender a honrar aqueles que vieram antes de nós, sejam nossos pais, nossos avós ou nossos antepassados lá das cavernas – que participaram da construção de tudo que hoje é como é, inclusive nós mesmos…

A gente precisa aprender a pedir ajuda, a falar o que sente, a chorar quando precisa chorar, e a ajudar também, quando solicitados, a sorrir e gargalhar quando tivermos vontade…e por aí vai, porque bom ou ruim, a vida é assim, e só assim ela é inteira!

Quando tudo estiver turvo, lembre-se: ‘A vida é bela’! (vale como referência pro filme também!)

Beijinhos de Luz!

Tati


P.S: I owe you guys the English translation, I didn't have time to do it yet. <3

49 views

​© 2018 Semeia Vida by Tatiana Lopes.