Youtube video First Cover .png
SemeiaVida-12.png
Search

O dia em que a saia curta dela não sairia para brincar...

The day her short skirt wouldn't come out to play...


Em tempos em que discussões estão a ir para os extremos e gerando cisões de vários tipos, um ‘conto real’ (Jeito suave de expor algo que, infelizmente, ainda é bem comum …) sobre uma das questões pelas quais muitas mulheres ainda sofrem, atualmente, para fazer pensar, cai como uma luva…ops, como uma saia…

Espero que gostem, beijo no heart! <3

.

.

Escondendo-se no armário, a pequena saia estava apavorada por ouvir alguém falar sobre um caso de estupro recente.

As pessoas estavam culpando alguma saia curta preta de uma garota. Profundamente chocada, a pequena saia se escondeu atrás da blusa azul. Ela não entendeu como uma saia como ela poderia convidar a um estupro. Ela se sentiu perdida. E então, o armário se abriu. Um pequeno raio de luz entrou. Era ela, Ria – aquela a quem a pequena saia amava com todo seu ser.

Ela se apaixonou por Ria no dia em que ela a experimentou no trocador da loja. Ria pulava de entusiasmo quando a vestiu. A pequena saia rapidamente percebeu que o sentimento de amor era mútuo. Ria a comprou em um instante e elas tem estado juntas desde então. Ria a exibia em muitas festas, e ela também se sentia orgulhosa de estar envolta nos quadris dela.

Mas hoje, ela estava com medo.

Estava com medo de que alguém pudesse machucar Ria por causa dela. Ela havia estado totalmente desatenta ao fato de poder causar uma ameaça. Espiando Ria por trás da pilha de roupas, a pequena saia decidiu colocar a segurança de Ria em primeiro lugar. Então, se escondeu atrás da grande pilha de roupas lá dentro. Ela observou Ria pelo pequeno espaço entre duas blusas. Ria estava vasculhando suas roupas, atrasada para uma festa. A pequena saia ficou preocupada ao perceber que Ria estava procurando por ela entre todas as roupas. Ela podia ver a inquietude no rosto de Ria. Foi difícil para a pequena saia ficar afastada. Ela queria ir para a frente de Ria, para que ela a visse facilmente, mas decidiu que não o faria. Em vez disso, se escondeu mais fundo. Ela podia ver a mão de Ria procurando, explorando por entre todas as roupas. E quando a mão de Ria chegou perto, a pequena saia se enrolou no vestido preto.

De repente, o telefone de Ria tocou.

Quando Ria se afastou para atendê-lo, a pequena saia não se conteve. As lágrimas caíam enquanto ela se esforçava para decidir se deveria deixar Ria achá-la ou se ficava escondida pela segurança dela. A pequena saia então sentiu um suave e caloroso toque. Ao olhas para trás de si, viu o teimoso sári azul.

O sári azul afagou gentilmente a pequena saia e secou suas lágrimas. A pequena saia estava surpresa porque desde o dia em que entrou no armário, ela só ouvira histórias sobre a teimosia e raiva do sári azul com outras peças de roupa. Ele nunca falava com ninguém, ficava pendurada lá sozinha, silenciosa num canto.

As outras roupas contaram à pequena saia que o sári azul odiava a todos porque Ria raramente o vestia. Então foi uma surpresa que na hora em que a pequena saia precisava de ajuda, o sári azul se aproximar com carinho e gentileza. Pela primeira vez, o sari azul falou, voz suave, como a de um pai.

‘Não chore. Me diga o que há de errado.’ disse o sári.

Um pouco relutante, a pequena saia contou sobre o caso do estupro. O sari azul explicou que aquilo não era culpa da saia pequena; ela tampouco poderia proteger Ria ou proporcionar qualquer perigo a ela. Ela era um pedaço de tecido, e a razão pela qual Ria a amava é porque ela a faz sentir-se bem e bonita.

A pequena saia respondeu, ‘Isto aconteceu por causa de ‘alguém’ como eu. Você não vai entender porque você não é quem está sendo acusado.’

O sári azul olhou para ela com dor no olhar e então contou à pequena saia uma história que a fez tremer inteira.

Ria conheceu o sári azul quando o comprou para uma festa do escritório de tema indiano. Ria estava encantadora, e estava orgulhosa de mostrar-se naquele sári azul. Depois da festa o chefe de Ria a pediu que o acompanhasse até o terraço para conversar sobre algo. Ria o seguiu e foi no terraço que ele tentou ir para cima dela. Ria ficou chocada, assim como o sári azul.

Ele explicou a pequena saia, ‘Nós não fazemos diferença. A mentalidade da pessoa que nos olha é que importa. Se eu, um tradicional sári indiano, pude parecer sexualmente convidativo, então como você pode se culpar? Você é só uma inocente saia pequena.’

O sári azul terminou sua história com lágrimas nos olhos, mas eram lágrimas de alívio – alívio de todas as memórias daquela noite sombria que ele carregara sempre em seu coração. A pequena saia abraçou o sári azul e finalmente compreendeu porque ele tinha permanecido tão silencioso e solitário todo esse tempo.

Nesse momento, Ria abriu o armário novamente para procurar o que vestir. O sári azul empurrou a pequena saia para frente, e os olhos de Ria encontraram sua saia favorita.

‘Aí está você! Onde estava escondida?’ Ria disse.

A pequena saia se virou e olhou para o sári azul; prometeu para seu novo amigo voltar logo.


Author: Manasi Sharma (traduzido e adaptado por mim)



Ela era forte, não porque não estava assustada, mas porque seguiu em frente corajosamente apesar do seu medo.


Hiding in the closet, the little skirt was terrified as she heard someone talking about a recent rape case.

People were blaming the rape on the short, black skirt of some girl. Shocked to her core, the little skirt hid behind the blue top. She didn’t understand how a skirt like her could invite rape. She felt lost.

Just then, the closet opened. A little ray of light entered. It was her, Ria—the one the little skirt loved to the core.

She fell in love with Ria the day Ria tried her on in the dressing room of that store. Ria jumped up and down in excitement when she put her on. The little skirt quickly realized that the feeling of love was mutual. Ria bought her in an instant and they had been together ever since. Ria had flaunted her at several parties, and she too felt proud to be wrapped around her waist.

But today, she was afraid.

She was afraid that someone could hurt Ria because of her. She had been totally unaware that she could cause a threat to her. Peeping out at Ria from behind the stack of clothes, the little skirt decided to put Ria’s safety first. So, she hid inside behind the bigger stack of clothes.

She watched Ria through the little space between two shirts. Ria was shuffling through the clothes, running late for a party. The little skirt became worried when she realized that Ria was searching for her amidst all the clothes. She could see the restlessness on Ria’s face. It was difficult for the little skirt to stay away. She wanted to move toward the front so Ria could spot her easily, but she decided not to.

Instead, she hid deeper. She could see Ria’s hand searching, scrutinizing all the clothes. As Ria’s hand came close to her, the little skirt wrapped herself around the black dress. Suddenly, Ria’s phone rang.

When Ria walked away to answer it, the little skirt broke down. The tears fell as she struggled to decide whether she should let Ria find her or stay hidden away from her for her safety. The little skirt then felt a soft, warm touch against her. Looking behind her, she saw the stubborn blue saree.

The blue saree gently caressed the little skirt and wiped her tears. The little skirt was surprised because since the day she entered the closet, she had only heard stories about the blue saree’s stubbornness and anger toward every other piece of clothing. She never spoke to anyone and hung out alone, silently in a corner.

The other clothes told the little skirt that the blue saree hated them all because Ria rarely wore her. So it was a surprise that in the little skirt’s time of need, the blue saree approached her with warmth and gentleness. For the first time, the blue saree spoke, her voice soft, like a mother’s.

“Don’t cry. Tell me what’s wrong,” said the blue saree.

Feeling a bit reluctant, the little skirt told her about the rape case. The blue saree explained that it was not the little skirt’s fault; she could neither safeguard Ria nor cause any danger to her. She was a piece of cloth, and the reason Ria loved her is because she made her look and feel good.

The little skirt replied, “This happened because of someone like me. You won’t understand because you are not the one being blamed.”

The blue saree looked at her with pain in her eyes and then told the little skirt a story that shook her to her core.

Ria met the blue saree when she purchased her to wear for an Indian-themed office party. Ria looked ravishing, and she was proud to showcase her figure in the blue saree. After the party, Ria’s boss asked her to accompany him onto the terrace to discuss something. Ria followed him and it was out on the terrace where he tried to impose himself on her. Ria was shocked, as was the blue saree.

She explained to the little skirt, “We do not matter. The mentality of the person looking at us is what matters. If I, the traditional Indian saree, could appear sexually inviting, than how can you blame yourself? You’re just an innocent little skirt.”

The blue saree finished her story with tears in her eyes, but they were tears of relief—relief from the memories of that dark night which she had always carried in her heart. The little skirt hugged the blue saree and finally understood why she had looked so silent and lonely all these years.

Just then, Ria opened the closet again to search for what to wear. The blue saree pushed the little skirt ahead, and Ria’s eyes met her favorite skirt again.

“There you are! Where have you been hiding?” Ria said.

The little skirt turned and looked at the blue saree; she promised to return to her new friend soon.


Author: Manasi Sharma

<3

3 views

​© 2018 - 2020 Semeia Vida by Tatiana Lopes.