Search

The path to starvation? / O caminho para a fome?


They said that fast food executives were turning fat profits by making us fat, so I stopped eating fast food.

They said that killing animals was wrong, so I became a vegetarian.

They said that fertilizer run-off from industrial farming is killing the Gulf of Mexico, the pesticides are killing honeybees, so I started only eating organic.

They said that shipped food is too carbon intensive and not as fresh, so I started eating only local, in-season food.

They said that it was wrong to punish a cow by milking it twice a day, or to steal a chicken’s eggs, so I became a vegan.

They said that the paleo diet would restore my body and make my teeth healthy, so I stopped eating anything cultivated.

They said that cooking food destroys its nutrients, so I starting eating only raw food.

They said that following a macrobiotic regimen would prevent cancer, so I followed it.

They said that I should follow a zero-waste diet, so I stopped buying anything with packaging.

And when I showed up at the farmers market in December with my reusable bag looking for local, certified-organic, vegan, unprocessed, uncooked, uncultivated, whole foods, without packaging, that would fit into my macrobiotic diet, I realized that the best thing for the planet, the animals, and my health would be to just stop eating altogether.

(don't know who the author is)




Disseram que os empresários de Fast food estavam tendo gordos lucros nos tornando gordos, então eu parei de comer fast food.

Disseram que matar animais era errado, então me tornei vegetarianx.

Disseram que os fertilizantes usados na indústria agrícola estão matando o Golfo do México, os pesticidas estão matando abelhas, então eu comecei a comer somente orgânicos.

Disseram que alimentos transportados tem muito carbono e não são tão frescos, então eu comecei a comer alimentos locais e da estação.

Disseram que era errado punir uma vaca tirando seu leite duas vezes por dia, ou roubar os ovos da galinha, então me tornei veganx.

Disseram que a dieta Paleo restauraria meu corpo e faria meus dentes mais saudáveis, então eu parei de comer qualquer coisa cultivada.

Disseram que cozinhar alimentos destrói seus nutrientes, então passei a comer só comida crua.

Disseram que seguir uma dieta macrobiótica previne o câncer, então a segui.

Disseram que eu deveria seguir um dieta de zero-lixo, então parei de comprar qualquer coisa com pacote.

E quando eu apareci na feira em Dezembro com minha sacola reutilizável procurando por alimento local, com certificado de orgânico, vegano, não-processado, não cozido, não cultivado, integral, sem embalagem que se encaixasse na minha dieta macrobiótica, eu percebi que a melhor coisa para o planeta, para os animais, e minha saúde seria simplesmente parar de comer.

(desconheço autor)

--

--

--

Então, o que pensar a respeito disso?

Talvez alguns pensem: ‘que pessoa louca…’, outros ‘que pessoa indecisa…’ e por aí vai… inúmeros são os adjetivos que podem ser usados, vão variar de acordo com as diversas percepções daqueles que o lêem… certo?

Concordo que vejo um ‘quê’ de loucura na história mas acho que prefiro adjetivá-la, se assim se fizer necessário, de um pouco extremista demais…

Considerando que vivemos em um periodo regado a informação convém pesquisarmos sobre aquilo que nos desperta interesse e curiosidade. Se a alimentação é o ponto, ótimo, porque realmente temos muita coisa errada rolando na indústria alimentícia: muita química, muita genética não natural, muitas distâncias etc…o que foi descrito no texto até certo ponto, mas seguir absolutamente tudo o que se espalha por aí como fórmula milagrosa, convenhamos, é um tanto quanto infantil e ilusório.

Cada pessoa é uma pessoa e portanto, nenhuma dieta vai servir igualmente para todo mundo, aqui já podemos analisar que não dá para seguir qualquer uma sem ao menos observar o que acontece consigo mesmo, continuar uma e acrescentar outras no mesmo processo, menos ainda. Também não dá para segui-las quando a oferta do que necessitamos para nos alimentarmos cai drasticamente, comprometendo a própria saúde, que tanto se busca (falo aqui de saúde e não de estética belê?). Fora outras questõezinhas que envolvem a boa-fé de quem comercializa tais produtos…

Em algumas regiões consumir orgânicos por exemplo é extremamente caro, em outras, é impossível certificar-se de que o alimento é realmente orgânico… Entende o que quero dizer? Basta um exemplo como este para perceber que extremos ou radicalismos não levam a lugar algum, mas à doença, má nutrição ou desnutrição neste tema… Já dizia Buda: ‘O caminho do meio…’

Não quero dizer que não devemos lutar por um modo mais justo e saudável de produção, distribuição e venda de alimentos, PRECISAMOS sim, e é nosso dever como coletivo e sociedade que somos inclusive!! A questão é não pirar na batatinha, porque no final quem acaba doente é você! Seja mais flexível, nem sempre é possível fazer tudo exatamente como gostaríamos ou como queremos… afinal, não dá para controlar tudo né?!...

Beijo no coração e boa semana! <3




So, what to think about that?

Maybe some of you might think: ‘what a crazy person…’, others ‘what an indecisive person…’ and so on… many are the adjectives that can be used, they vary with the different perspectives of those who read it… right?

I have to say that I see some sort of craziness in the story but I’d rather use this adjective: a little too extreme… (if necessary to do so)

Considering that we live in a time full of information, it’s essential to research about whatever awakes our interests and curiosity. If food is the topic, great, because we really have lots of wrong things going on in our food industry: lots of chemicals, Gmos, long distances etc… things that were written to an extent on the text, but following a miraculous formula, lets face it, it’s a bit childish and illusory.

Each person is a different person and therefore, no diet is going to have the same results to everybody, with this we can already realize that it’s of no good following one (diet) without, at least, observing what happens with ourselves; continuing one diet and adding others on the process, even less. Following them when the offer of what we need to be physically nourished decreases drastically, implicating our own health is of no good as well (I’m talking about health and not about looking good, ok?). Not mentioning other issues that involve the ‘good faith’ of whom commercialize those products…

In some places, buying organic foods for example is extremely expensive, in others, it’s almost impossible to check if the foods are really organic…(that’s sad, really sad, and unfortunately it happens in Brazil)

Do you understand what I mean? An example like this is enough for us to realize that extremes lead us nowhere, but to disease, bad or poor nutrition… Buda used to say: ‘The path in between, in the middle….’ Balance people!

I’m not saying we shouldn’t fight for a fairer and healthier way of food production, distribution and selling, because WE NEED to do so, yes, and it is our duty as a community and society we are! The point is not to freak out, because in the end it’s you who gets sick and ill! Be more flexible, kinder to yourself, it’s not always possible to do everything exactly the way we want… after all, it’s impossible to control everything right?!...

Kiss on the heart and have a nice week! <3

13 views

​© 2018 Semeia Vida by Tatiana Lopes.